Dia Mundial do Designer Gráfico: É HOJE!

abril 27, 2011

Boa noite, a todos que me seguem.

Hoje foi um dia, o qual passei praticamente hibernando. É, isso mesmo. Dormi das 8h às 20h incentivado por remédios e mais remédios pra tentar aliviar as dores que a hérnia de disco teima em me conceder. Paciência. Vou ter que conviver com isso.

Mas não vou falar de dor, pelo menos, não hoje.

Hoje é um dia especial, mundialmente falando, por se tratar de ser mais um dia em que eu comemoro (mesmo dormindo): Dia Mundial do Designer Gráfico.

Parece ser algo grandioso para uma profissão que não é regulamentada e muito menos, compreendida por boa parte da população do planeta. Mas a gente tenta explicar… =)

O profissional que se qualifica como Designer Gráfico (o ideal é que seja formado por uma universidade mas em geral não é o que encontramos por aqui) é responsável pela criação (junto com um Diretor de Arte, nem que seja ele mesmo um) , diagramação, editoração a arte-finalização de toda e qualquer peça gráfica, que vai desde cartões de visita até a programação visual e sinalização de aeroportos, fábricas e shoppings.

Temos, em todo o Brasil e principalmente fora dele, ótimos cursos que ensinam e preparam o cidadão interessado em ser Designer Gráfico. Alguns cursos são tão específicos quanto, como os cursos de Design de Produto, Design de Moda, etc; assim como, temos cursos mais abrangentes que englobam praticamente todas as áreas do Design como por exemplo Webdesign, Videomaker, JewelDesign, etc. dentro dele, dando apenas uma visão geral de cada um, e deixando o estudante definir seu caminho dentro desse escopo imenso.

Hoje em dia, principalmente no sul do país, esse profissional vem sendo mais bem valorizado mas ainda está longe do ideal. Talvez por conta da falta de regulamentação da profissão, algo que faz com que qualquer um com o computador e um software vetorial possa criar qualquer coisa em meia-hora e vender por menos que um cacho de bananas. Mas esse é assunto pra outro post…

Hoje é dia de falar bem desse profissional que batalha pra ser reconhecido, que investe muito em estudos, cursos, equipamentos, em recolocação profissional, por salários justos, e principalmente que busca desenvolver um trabalho bem elaborado e embasado, enfim, o profissional que busca por um lugar ao sol, com toda dignidade e prazer que uma profissão abraçada com tanto amor e dedicação deveria merecer.

Pois bem, aqui vai meus parabéns a todos os colegas de profissão, a todos esse Designers Gráficos que passam dias a fio entre escalas de cores, fontes, referências visuais pra realizar sempre mais e melhor o seu trabalho. Sucesso a todos!

Abs,

C.

Anúncios

Dia Mundial do Desenhista: É hoje!

abril 15, 2011

Bom dia, fiéis leitores ou mesmo, aqueles que caem aqui por acaso.

Hoje poderia ser um simples dia como outro qualquer. Uma sexta-feria ensolarada aqui em Salvador, 28 graus C, trânsito caótico, a velha loucura insandecida de sempre.

Na história, o dia de hoje teve muitos significados:

– Andrew Johnson se torna o décimo sétimo presidente americano;
– Surge a GE – General Eletric – , com a fusão da Edison General Electric Company and the Thomson-Houston Company;
– O famoso RMS Titanic naufraga após colidir 3 horas antes com um iceberg no Atlântico Norte;
– O primeiro restaurante da rede McDonald’s é inaugurado em Des Plaines, Illinois;
– Foi fundada no Brasil a ANFAVEA – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores;
– O ditador cubano Fidel Castro visita os Estados Unidos pela primeira vez depois da revolução;
– Castelo Branco é eleito e empossado presidente pelo Congresso brasileiro com 361 votos, 72 abstenções e 37 ausências;
– Inauguração da Disneylândia de Tóquio;
– Morre, aos 49 anos, Joey Ramone, vocalista da banda Ramones, vitimado pelo câncer;

Enfim, entre coisas boas e ruins, essa data é (e foi) marcada por diversos acontecimentos singulares, alguns jamais esquecidos pela humanidade. Ou parte dela.

Mas não estou aqui hoje pra fazer uma releitura dessa data e seus fatos históricos, e sim, para lembrar que hoje é uma data de grande importância para todos os profissionais como eu:

DIA MUNDIAL DO DESENHISTA!

Retratistas fiéis da realidade, autores de desenhos abstratos, de projetos funcionais ou mesmo de traços divertidos e despojados que tratam o nosso dia-dia com bom humor. Não importa a especialidade, hoje o mundo homenageia esses profissionais que encantam com os seus traços. .

“Numa folha qualquer eu desenho um Sol amarelo, E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo. Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva. E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva…”. Basta um lápis e uma folha de papel nas mãos de um desenhista para entender de onde veio a inspiração de Toquinho para a música ‘Aquarela’. Afinal, a arte de transformar linhas, curvas, riscos e rabiscos em imagens compreensíveis (ou não, como é o caso dos desenhos abstratos), faz que o mundo comemore hoje o Dia Mundial do Desenhista.

A data escolhida remete ao nascimento do mestre italiano Leonardo da Vinci (em 1452), que usava o desenho como instrumento para compreender a realidade. Porém, essa manifestação estética já se expressava desde a pré-história, quando os homens a utilizavam com um contexto tribal-religioso. Nesse período acreditava-se que as imagens desenhadas nas cavernas e pedras possuiam alma própria e eram capazes de se tornarem reais, ou seja, o desenho estava mais ligado a um ritual místico do que a um meio de expressão.

Conforme os conceitos artísticos foram se separando da religião, durante a Antiguidade, o desenho foi conquistando o seu espaço e se consagrando como disciplina. Mas foi apenas com o período artístico conhecido como Renascimento que se iniciou uma preocupação com a sistematização da perspectiva. Nesse contexto o desenho se tornava elemento básico da criação artística para se obter a obra final – sendo seu domínio quase uma virtude secundária frente às outras formas de arte. Além de Leonardo da Vinci, artistas como Michelângelo Buonarroti e Albrecht Dürer são importantes representantes da arte renascentista.

E você me pergunta: e hoje em dia?? Bem, segundo o último levantamento da Relação Anual de Informações Sociais (Rais/2007), do Ministério do Trabalho e Emprego, o país possui mais de 78 mil desenhistas em atividade. Destes, 58.248 profissionais são do sexo masculino e a maior parte (13.709) está concentrada na ocupação de desenhistas técnicos em geral. Já as 19.909 mulheres que atuam com carteira assinada predominam na área de desenhistas projetistas e modelistas de produtos e serviços diversos. Ao todo são 7.605 apenas nessa ocupação.

Em termos estaduais, São Paulo é a unidade da federação que mais emprega esses profissionais. Computando o registro de homens e de mulheres o estado responde por 32.120 desenhistas em atividade, seguido pelo Rio de Janeiro (7.112) e Rio Grande do Sul (7.075). A menor concentração está nos estados do Amapá e de Roraima, com apenas 55 e 56 registros respectivamente. A, nesse quadro, fica por volta do sexto lugar, perdendo para Brasília e Curitiba. Uma pena. Nós desenhistas baiano precisamos rever esse quadro…

Pois bem, e quanto aos tipos de desenho? Muitos são as variações que podem ser feitos (geométrico, projetivo, arquitetônico, ilustração, modelo vivo, entre outros), bem como vasto são os campos de atuação de um desenhista. Os mais conhecidos são os cartunistas (como Ziraldo e Maurício de Souza) e chargistas (como Maurício Ricardo Quirino, que faz as charges do Big Brother Brasil) que encantam de crianças a adultos com seus traços. Menos conhecidos mas não menos talentosos (não mesmo!) são desenhistas como Benício, que ficou famoso por ilustrar os cartazes de filmes dos anos 60 e 70, como Dona Flor e seus Dois Maridos e praticamente todos os filmes d’Os Trapalhões daquela época; Gustavo Duarte, com suas sátiras super bem boladas sobre o esporte e a política nacional; dentre outros renomados como Baptistão, Braga, Cárcamo, Spacca, Laerte, Angeli, GlaucoAlarcão, Eldes, Laz Muniz, Guto Lacaz, Eduardo Schaal, Fábio Yabu, Hiro Kawahara, Montalvo Machado, Orlandelli, Samuel Casal, e por aí vai! Um monte de gente que manda muuuito bem no traço! Vale a pena conhecer o trabalho deles!

Mas aqui na Bahia tem muita gente boa também, alguns deles bem conhecidos como é o caso do  Cedraz, da Turma do Xaxado; o Luíz Augusto, do Fala Menino, o Flávio Luiz, criador d’O Cabra, e o Tiago Hoisel, famoso pelos seus belíssimos trabalhos. Também vale a conferida.

Enfim, o trabalho desses profissionais – e lógico, eu me incluo nessa – possui o seu lado glamoroso (todos acham que desenhista trabalha por prazer, por que gosta e tudo é só alegria) mas a realidade é bem diferente. Nós, desenhistas profissionais, lutamos quase que diariamente para mostrar e “educar” a população em geral, em especial às interessadas em nossos serviços, do valor do nosso trabalho.

São horas, dias, meses e anos à fio debruçados sobre a prancheta (ou com a modernidade aí, sobre às tablets, rs), estudando, experimentando, testando novas ferramentas, materiais, técnicas… investindo em cursos, livros, eventos, viagens, tudo para melhorar cada vez mais a nossa capacidade crioprodutiva. E isso demanda antes de mais nada… dinheiro. O triste, porém real, é que as pessoas em geral não nos dão o real valor. E o pior: não conseguem visualizar a importância e o poder que uma ilustração bem feita e bem concebida pode agregar ào seu produto ou empresa.

No mundo todo, principalmente nos Estados Unidos e Europa, os desenhistas são supervalorizados (mas nem por isso trabalham menos, viu?), muitas vezes tratados como “super-heróis”, tendo em vista não só a qualidade dos seus trabalhos mas também a consciência e o valor que reconhecem diante de imagens que podem vender milhões. Como dito aqui antes, São Paulo é uma cidade que melhor tem noção do valor de um desenhista, mas ainda está longe do entendimento dos americanos e europeus. O engraçado é que quando escrevo essas linhas me dá uma vontade de abandonar esse país… humm…

Pois bem, não vou estender mais esse post. Quero apenas parabenizar a todos os desenhistas do mundo, amadores e profissionais, e que esses, aprendam sempre mais não só a melhorar seu traço, mas também a saber valorizar o seu trabalho e a saber cobrar corretamente (e justamente) por ele.

E aproveitando a deixa, não posso deixar de mandar os parabéns também para esse que nessa data comemora 5 ANOS de vida: CHAN STUDIOS!

5 anos de muito trabalho, investindo em estudos, equipamentos, cursos, enfim, uma série de fatores para poder oferecer sempre mais e melhor os nossos serviços. E obrigado também a todos os amigos, parceiros e colaboradores que sempre me incentivaram e ajudaram a manter esse sonho. Valeu mesmo!

Mas, vamo trabalhar!!

Abraço!

C.


HospitalFolia.

março 12, 2011

O título desse post pode parecer meio esquisito mas depois que ler as próximas linhas, entenderão.

Como todos no Brasil devem bem saber, vivemos nos últimos dias que se passaram sobre o estigma da maior festa popular do planeta: carnaval. E em se tratando de minha cidade – Salvador – isso até que é bem verdade.

Pois bem, cidade cheia de gente, turistas de toda parte do globo pra curtir, brincar, pular, beijar, beber, trepar, enfim, pra por pra fora todos aqueles desejos e sentimentos reprimidos. Ponto.

Eu, como alguns já devem saber, sou carnavalesco por natureza. Nasci praticamente em cima do trio do bloco Os Internacionais – que esse ano completou 50 carnavais -, sempre pulei atrás dos trios, tomando todas, curtindo, enfim, fazendo tudo o que um autêntico folião baiano faz. Se tinha uma coisa que eu não queria que chegasse era quarta-feira de cinzas. Queria que o carnaval durasse umas duas semanas, rs.

E ano após ano tem sido a mesma coisa e nunca reclamei, sempre quis mais e mais.

Porém, esse ano, algo aconteceu. Algo nada agradável e que me tirou o sono durante muito tempo: minha mãe sofrera um infarto há poucos dias antes da folia momesca.

Isso me botou no sério e meus dias de folia foram “curtidos” dentro de um quarto de hospital, acompanhando, cuidando, transformando aquele local frio e bucólico num espaço mais alegre, mais agradável. Não pra mim, mas para a mulher que me pôs no mundo. Afinal, ele merece. E muito.

Esses dias, principalmente os primeiros, foram conflitantes pois, ao mesmo tempo que queria estar na rua curtindo com minha mulher, minha filha e meus amigos, não conseguia deixar de me preocupar com ela que sempre fez tanto por mim, principalmente nos piores momentos.

No início foi ruim: 3 dias na UTI sem poder nem mesmo ficar ao lado dela mais do que 2 horas. Depois, já passado o perigo, no quarto, pude fazer companhia e amenizar seu sofrimento e levar um pouco de alegria pra ela.

E assim foi o meu carnaval. Calmo, porém tenso. Diferente, porém necessário. E tudo que acontecia no mundo fora daquelas paredes gélidas, acompanhávamos pela TV. Pelo menos ela nos trazia um pouco da folia para dentro daquele quarto insosso.

Enfim, o carnaval já passou, camarotes desmachados, ruas e praias limpas das sujeiras e mijos gerados por todo mundo, decoração recolhidas, e a cidade volta aos poucos à sua vida normal. Mas infelizmente a “folia hospitalar” continua, com minha foliã maior ainda em observação, ainda fazendo exames e ainda aguardando a sua tão sonhada “quarta-feira de cinzas”. Nunca pensei que sentiria ou diria isso mas… Eu também.

C.


Oportunidade irresistível.

fevereiro 22, 2011

Obrigado a todos que ligaram, escreveram e entraram em contato demonstrando interesse, mas, o produto à venda em questão foi vendido poucas horas depois de veiculado nesse blog.

Promoções como essa em breve. Quem sabe?…. Fiquem ligados!

Abraço!

C.

 


O poder do convencimento pela matemática aplicada…

janeiro 17, 2011

Rapêize… não tenho postado ultimamente por conta do problema com meu dedo (fraturou no último post, rs). E nem sei quando estarei 100% novamente. Mas, até lá, pra não deixar isso aqui parado, vou postar imagens e vídeos bacanas que encontro nessas andanças por aí.

E eu começo com um vídeo que mostra um exemplo de que um bom argumento pode convencer qualquer um… ou pelo menos, deixar uma pulga atrás da orelha… =P

C.


Começando bem… mal.

janeiro 3, 2011

O ano novo começou lindo e ensolarado, e em Salvador, assim como em alguns lugares maravilhosos do nosso planeta, isso é quase uma ordem superior: bora pra praia!!

E foi com essa frase que comecei o meu domingo, acordando cedo e (tentando) acordar as minhas mulheres pra gente curtir esse dia gostoso juntos e aproveitar o restinho de recesso que ainda me restava.

Após algumas horas de arrumação, lá estávamos nós à caminho de Vilas do Atlântico, reduto onde sempre escolhemos por ser um local não tão longe, porém agradável. Só que não contávamos com as intempéries do verão soteropolitano:

Engarrafamentos, praias lotadas, sem estacionamento, sem lugar nas barracas, um caos. Parecia que todo mundo em Salvador resolveu ter a mesma ideia que a gente.

Eu já tinha mandado minha paciência pro espaço (e peço desculpas à minha mulher @AnaPaulaKika pelas grosserias desnecessárias) quando decidi que não valeria à pena perder a viagem. Ficamos na areia mesmo, sem barraca, sem guarda-sol, só uma toalha e as coisas das meninas.

E assim seguimos brincando, curtindo um banho de mar, uma delícia. Mas a paz não demorou muito: brincando com Nikki na água pulando as ondinhas pra dar sorte (ironia, né?), uma onda veio e bateu forte na gente e me fez perder o equilíbrio e cair sobre algumas pedras, me cortando no dedo e no joelho. Aparentemente, nada grave, continuamos a brincar.

Uma hora depois, resolvemos ir embora (a praia tava parecendo o piscinão de ramos) pra almoçar e voltar pra casa. Ainda tínhamos que encarar comprinhas no supermercado.

Até aí tudo bem. Passamos a noite em casa vendo TV, brincando, lanchando, twitando e eu, tirando umas musiquinhas infantis pra Nikki no violão quando comecei a sentir fortes dores na mão direita. A mão que aparou a nossa queda no inocente acidente na praia. A mão que eu uso pra desenhar, trabalhar, escrever, fazer praticamente tudo. Estava machucada.

Resolvi dormir e ver se a dor passava, mas mal consegui dormir com as fortes dores que sentia e hoje, logo cedo ao sair de casa, fui logo ao hospital. Após alguns exames e raio-x, o resultado: fratura do dedo.

Mesmo assim fui trabalhar. Tinha uns problemas pra resolver, mas o médico me aconselhou, como trabalho quase que dedicadamente com a mão direita, 2 dias de repouso. Difícil, mas… necessário.

E agora estou aqui, em casa, catando milho aqui no iPad pra digitar esse post (perdoem os erros de grafia, viu?) e contar de uma vez essa minha primeira aventura de 2011.

Mas sabem de uma coisa? Não estou triste e nem preocupado. Sabem porquê? Porque, o que importa é que minha pequena princesinha do mar está bem, sã e salva. E esse macaco velho aqui se recupera já, já. =)

Obrigado a todos que mandaram twits, mensagens, e-mails, os que ligaram e a todos que se preocuparam comigo e com minha filha. Apesar de tudo estamos bem e não foi nada grave. Bola pra frente!

Ah! E aproveitando, queria indicar um aplicativo que já uso há um tempão e que hoje, mais uma vez quebrou meu galho: LogMeIn

Um aplicativo que você pode acessar de qualquer computador conectado à internet (Macs, PCs, iPhones, Blackberrys e iPad tb, é claro!) para, remotamente, controlar seus outros computadores, seja de casa, do trabalho, de qualquer lugar. Possui uma versão gratuita (muito boa!) e uma versão paga (melhor ainda!). Vale a pena conferir e testar.

Bom, chega por hoje. Minha mão já cansou demais, apesar de que com touchpad, mouse e caneta cansarem beeeem mais! Eheh

Inté!

C.


Primeiro post de 2011: by iPad

janeiro 2, 2011

É isso aí. Ano novo, vida nova, forma de postagem nova também.

Estou nesse exato momento testando meu aplicativo do WordPress do iPad para escrever o meu primeiro post de 2011.

Confesso que enquanto estava na fase de pesquisa e de decisão para aquisição desse mais novo gadget da Apple, achei q o maior problema a ser encarado seria o de digitar num teclado virtual com a mesma agilidade que, modéstia à parte, sempre tive com as máquinas de datilografia e teclado de computador (sim, sou da época das fantásticas Olivetti e Hemington). Ledo engano.

O iPad vem me surpreendendo à cada toque, à cada deslize de dedo, não só por toda sua simplicidade e rapidez, mas pela versatilidade que praticamente beira ao ilimitado.

Calma, antes que me censurem e me joguem pedras, não pretendo comparar o iPad a notebook, netbook nem nada parecido. No máximo a outras tablets, que até podem ter mais recursos com câmeras, portas USB, leitores de cartão SD, microSD, etc. De fato tudo isso seria de muito valor caso viessem no iPad (e com certeza virão em suas próximas versões) mas, mesmo sem isso tudo, a gama de recursos e possibilidades de uso que esse “brinquedinho” pode fazer é de impressionar. E muito.

Mas pra isso, é necessário ter uma mente aberta, ser visionário, criativo e, é claro, por as mãos num desses, ehehe

Eu exitei por 8 meses. De início não identifiquei nada que pudesse justificar a aquisição de um troço desses. Mas aos poucos, lendo, pesquisando, fuçando e me informando, acabei percebendo que o iPad poderia ser uma extensão bem leve do meu estúdio, o qual poderia levar para qualquer lado sem reclamar de peso, de bateria, de velocidade de processamento, e ao mesmo tempo, poder acessar meus banco de dados, contatos, documentos, relatórios, agenda e tudo mais que necessito pra trabalhar.

Sim, o iPad pra mim veio pra trabalhar. O lazer é apenas um bônus para as horas vagas. E pra isso, acho que nem é preciso comentários, né? =)

Enfim, todas essas palavras acima foram digitadas com facilidade, rapidez e até o cuidado com a acentuação eu não precisei me preocupar: ele já faz isso por mim. Ótimo, não?

E pra encerrar esse post quero dizer que esse ano de 2011 será o que EU quiser. Porque tudo depende de nós.

Quero trabalhar mais.
Quero desenhar mais.
Quero ganhar mais.
Quero me divertir mais.
Quero amar mais.
Ah… e quero pesar menos. =)

Acho que por enquanto é só. Mas, aceito sugestões. =)

Feliz 2011.

C.